Moda e sustentabilidade: entenda como é possível trabalhá-los juntos

A cada dia mais, a preocupação em conciliar inúmeras atividades com o mínimo de
agressão possível ao meio ambiente torna-se necessária e desejada. O mundo da
moda não ficou de fora dessa: a moda sustentável – total green – vem se
popularizando nesse universo, exigindo novas perspectivas e ferramentas para
oferecer produtos que sigam tanto as tendências de estilo quanto de
sustentabilidade.


Mas o que é a moda sustentável, afinal?

Define-se como moda sustentável ou eco fashion aquela que tem um modo de
produção e metodologias que não produzam ou minimizem impactos ao meio
ambiente. Um processo produtivo comum, além de instigar um consumo
massificado dos produtos, gera muitos resíduos poluentes, que são rapidamente
descartados e raramente reciclados de maneira efetiva. Desde a criação até o
descarte, a moda sustentável busca reinventar as dinâmicas deste ramo, causando
menos impactos nocivos ao planeta e promovendo processos mais éticos e
sustentáveis.


E como isso é feito?

Se você está pensando em como gerar sustentabilidade na moda, não se preocupe
é completamente possível. É necessário repensar no ciclo de vida das peças como
um todo, buscando tanto o uso de matérias-primas que gerem um impacto negativo
ecológico menor, com um conceito metodológico que avalia a pressão do consumo
da população sobre recursos naturais. Além disso, avaliar também um descarte
correto ou reutilização de elementos do processo produtivo.
Um exemplo de método que integra esta prática ecológica é o Zero Waste, que
consiste no aproveitamento de retalhos de tecido para produção de novas peças, ao

invés de serem encaminhados para descarte. Diminuindo a produção de lixo e
utilizando integralmente o material, o impacto de sua criação no ambiente já é
menor, além de gerar peças únicas. Muitas marcas e estilistas já investem na
técnica, produzindo peças de luxo a partir da prática do Zero Waste, sem contar no
uso de fibras orgânicas e outros materiais como corantes naturais, que por natureza
já são menos tóxicos ou de reciclagem mais viável.

Outra prática deste tipo consiste no chamado Upcycling, que tem como proposta o
reaproveitamento de peças antigas, que seriam descartadas, para gerar novas
coleções. Presente em outros ramos além do mundo da moda, mas especialmente
popular nele, este modelo gera uma diminuição no uso de matéria-prima (muitas
vezes não renovável) e ainda fornece oportunidades de produções estilosas, que
atendam ao mercado e levem seu processo até um maior grau de sustentabilidade.


O consumidor é parte do processo

Além da parte essencial de repensar a produção, reinventar a maneira com que os
indivíduos consomem esses produtos também é imprescindível. Divulgar ao
consumidor que sua produção é eco-friendly e conscientizar sobre a importância
disso é um ponto chave para tornar o processo sustentável até a última etapa,
popularizando formas de aquisição que prolonguem o ciclo de vida da peça.

Priorizar produções de melhor qualidade em detrimento das mais baratas, por
exemplo, é uma ação do consumidor que irá favorecer o mercado sustentável, e
está cada vez mais frequente devido às mudanças de hábitos e valores pessoais
dos indivíduos. Questionando-se sobre as origens do que consomem, a preferência
por modelos de baixo impacto ambiental ganham espaço no mercado, e sua marca
deve se atentar à essas mudanças.
Com todos estes elementos em jogo, é possível acompanhar tendências, gerar sua
coleção e ainda colaborar para a preservação do planeta. A nova moda é, além de
tudo, sustentável!

Deixe uma resposta